ovelha

Lucas 15: 1-7

Comentário dos fariseus a Jesus foi:

E se vocês tivessem 100 ovelhas e perdessem uma, não iriam deixar as 99 para procurar a que se perdeu? E quando achasse a ovelha perdida não iria coloca-la sobre os ombros se alegrar e chamar os amigos e vizinhos para comemorar?

“Eu digo que, da mesma forma, haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam arrepender-se. Lucas 15:7”

O que Jesus quer nos ensinar com está parábola:

Não importa o quão degenerado um ser humano possa se tornar Deus sempre irá em direção a ele. Jesus foi criticado por andar com o que hoje chamaríamos de maus elementos, cobradores de impostos (traidores de seu próprio povo), prostitutas e estrangeiros pagãos. Essa crítica veio da casta religiosa da época, que em muitas vezes se julgavam superiores aos olhos de Deus.

Jesus não se limitou com o comentário maldoso dos Fariseus, ele realmente se fez homem e deixou de lado tudo o seu poder para se fazer igual a nós.

E desceu a um nível tão profundo que encontrou homens endemoniados, crianças esquizofrênicas, mulheres devassas e uma multidão assolada pela miséria e pela doença.

O que Jesus enxergava nessas pessoas que o fazia amá-las?

Ele enxergava a imagem de seu Pai (GN 1:26) impressa na alma de cada uma delas, imagem está manchada por um mar de pecado e perversidade.

Ele enxergava ovelhas andando a esmo a beira de um precipício.

É muito fácil perdermos de vista o valor que Deus dá a cada um. Observamos as coisas terríveis que as pessoas podem fazer: o abandono de uma criança, uma traição, a desonestidade e o egoísmo em todas as suas formas, e damos eco a fala dos religiosos da época de Jesus “não queremos contato com esse tipo de gente”. Nós sentimos e nós achamos superiores aos outros, quando somos iguais. Se Jesus sendo santo veio ao mundo e não se limitou porque nós pecadores podemos achar que temos que fazer acepção de pessoas.

Passamos a vida sentados no sofá de nossa casa, apavoradas com o noticiário, com o que as pessoas são capazes de fazer. Erguemos muros em volta de nós mesmos e de nossas famílias, queremos distância de “maus elementos”.

Que Jesus nos ensine a resgatar o perdido e a descer mais fundo para dentro do abismo de pecado em que eles se encontram. Mas que sempre lembremos que foi exatamente desse mesmo abismo que Ele nos tirou também.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here